Archive for the ‘Áudio’ Category


Adam Lambert é entrevistado pela Rádio SiriusXM, Nova York – 18/06

By in junho 22, 2015 • Filed in: Áudio, Entrevista

Na semana passada, Adam Lambert também foi entrevistado pela Rádio SiriusXM de Nova York (EUA) durante o Programa “On The Morning Mash Up”. Confira como foi a entrevista:

Depois de comentários de algumas das últimas notícias de celebridades, ela pergunta o que Adam acha sobre o fim do American Idol, e ele responde que tiveram um boa jornada, e está muito agradecido pelo programa, tem sido uma plataforma incrível para novos artistas e infelizmente um dia tem que acabar.

Pergunta como fez para escolher a foto que está na a capa do novo álbum, e Adam diz que foi uma decisão entre 5 fotos e foi um acordo mútuo.

Perguntam de quem Adam é fã hoje em dia, e Adam responde que gosta muito do artista chamado Shamir.

Eles perguntaram se é verdade que recusou um trabalho na Broadway, e Adam diz que sim porque estava muito ocupado trabalhando com o novo álbum.

Ela pergunta de ele prefere café ou chá, e Adam diz que prefere uma bebida energética.

E pergunta se tem algo planejado para o fim de semana do Dia dos Pais, e Adam diz que ele vai mandar algo para seu pai porque estará indo para a Toronto, no Canadá, para participar do Much Music Awards.

Autoria do Post: Josy Loos
Tradução: Sandra Saez
Fontes: @MorningMashUp e SiriusXM Music/SoundCloud

Share/Bookmark


Entrevista de Adam Lambert na BBC Radio 2, Londres – 12/06

By in junho 21, 2015 • Filed in: Áudio, Entrevista, Rádio

Conforme já publicamos aqui, Adam Lambert foi entrevistado por Steve Wright em seu programa “In The Afternoon” da BBC Radio 2 de Londres em 12/06. Confira a entrevista a seguir:

Steve: Adam Lambert é uma super estrela americana. Passou o último ano numa turnê mundial esgotada, “Queen + Adam Lambert”, e agora está de volta com um novo single da sua carreira solo do novo álbum, que iremos tocar dentro de momentos. O novo single do Adam, “Ghost Town”, já está disponível e faz parte do seu novo álbum “The Original High”, que será lançado segunda-feira. É o terceiro álbum do Adam e incluí faixas com a cantora sueca Tove Lo e com a lenda britânica Brian May. Você já deve conhecer o Brian May muito bem. A tua história é muito interessante. Você se tornou conhecido no American Idol em 2008?
Adam: Não, 2009. 8ª Temporada.

Steve: Mas não ganhou…
Adam: Não. Fiquei em segundo lugar.

Steve: O que é que aconteceu? Você tem um álbum que é platina, mas ficou em segundo? Como é que isso é possível?
Adam: Não sei. Ainda estou tentando entender. Mas acho que é uma plataforma excelente. E é uma daquelas coisas, tal como os concursos aqui, que depende do que você vai fazer a seguir e em como lidará com tudo.

Steve: Eu suponho que você tenha se distanciado disto gradualmente, passando a fazer aquilo que quiser e ser você mesmo.
Adam: Acho que temos de provar quem somos, até certo nível. Especialmente, dentro da indústria, pois não sei até que ponto é que ela leva a sério os concursos de talentos. Por isso, há muito trabalho a fazer. Acho que a prova é o produto que eles estão a expor.

Steve: Qual foi a primeira coisa que você fez depois do concurso?
Adam: Lancei um álbum e saí em turnê. Foi uma turnê pequena, não foi enorme, em estádios e isso, mas andei por todo o país. Foi fantástico. E aqui também.

Steve: Você sabia que era uma rampa de lançamento?
Adam: Sim. Senti que consegui alcançar algo, havia fãs por todo o lado, o que me surpreendeu. Não sabia como iria ser. O Twitter tinha acabado de ser lançado. A ligação através das redes sociais. Houve novas formas de nos ligarmos.

Steve: Foi uma presente, não foi?
Adam: Foi. Para uma pessoa no meu lugar, sem dúvida.

Steve: O que você fez antes… Qual era o teu objetivo, quem é que queria ser, o que é que queria fazer? Quer dizer, é óbvio que você tem uma voz fantástica. Já agora, uma voz para todos os gêneros. Ouvindo o álbum, há um pouco de R&B, rock, pop e algo que podia estar num teatro. Você é a voz do misturador de vozes. Estou certo? Estou errado?
Adam: Eu só penso na minha voz, como aquela que aparece na minha cabeça. Não penso nela de mais forma nenhuma. O que acho é que as músicas, a nível sônico, têm diferentes modulações na voz, mas a composição das músicas me parece muito clássica, de certa forma.

XXXSteve: Sim, e “Ghost Town”, que eu adoro. Pois tem aquele toque de cantautor [ver nota].
XXXAdam: Sim, começa dessa forma e depois vai para uma rave depois de horas no leste de Londres.

Steve: Torna-se um pouco dançante. O que é que você queria ser?
Adam: Eu comecei por fazer teatro musical. Os meus pais puseram-me num grupo e trabalhei nessa direção durante toda a minha vida de adolescente. Fui para o segundo grau e decidi seguir o meu sonho em Los Angeles, de todos os lugares, onde eles não têm uma cidade com teatros para musicais. Tive algumas atuações boas e depois fui contratado para fazer parte do musical “Wicked”, uma companhia que fazia turnês, da Broadway. Esse foi, talvez, o trabalho com mais prestígio que tive nesse campo. Cinco meses depois, percebi que não estava gostando tanto como pensava que ia gostar. Foi aí que comecei a sentir que queria ser mais criativo e criar a minha própria arte, escrever coisas, ser eu próprio em palco. Queria ser eu a criar.

Steve: E você conseguiu. O teu cabelo tem algum produto agora, ou não?
Adam: Não, nada de nada. Ele fica assim, só por si.

Steve: Está fantástico.
Adam: Entro para dentro de uma caixa cheia de películas de cinema e, de repente, sou uma.

Steve: Tim acha que poderia adotar aquele estilo? Seja honesto, Adam.
Adam: Pode se manter com um destes e pode ser que eles se ponham em pé, como velcro.

Steve: O que o Adam queria dizer é que não. E as tuas influências? Quem é que tem te influenciado?
Adam: Sou obcecado por música. Ouço muita música. Tive a minha pequena fase no início dos meus 20 anos. Descobri o rock clássico, que nunca tinha ouvido antes, comecei a ouvir música funk, neo soul… Tive os meus pequenos capítulos. Muita música dance do Reino Unido, dos anos 90, retrô… Adoro.

Steve: Sei que você é também um fã do Pharrell.
Adam: Sem dúvida. Ele é fantástico. Na verdade, ele compôs duas músicas comigo, no meu último álbum.

Steve: Como é que foi esse processo? Você se sentou com ele e compuseram. Você fez muitas coisas assustadoras. No American Idol, com o Queen, a tomar o lugar do Freddie Mercury, e depois trabalha com o Pharrell a escrever no teu álbum. É incrível.
Adam: Houve épocas, quando me deparei com estas oportunidades, em que me senti um pouco intimidado. Tive de me ambientar. Se não ficasse confortável, ia me arrepender.

Steve: Vamos tocar “Ghost Town” e “Lucy”, com o Brian May.
Adam: Ele gravou o solo de guitarra em três takes. Foi inacreditável.

Steve: Ele é fantástico. É um deus do rock.
Adam: Sem dúvida.

Steve: Vamos tocar essa também, e outras boas opções do álbum. “Ghost Town” já está disponível e o álbum “The Original High”, de que vão ouvir a faixa-título dentro de momentos, sai na segunda-feira. Foi um prazer te conhecer.
Adam: Obrigado. Obrigado por me receberem.

Steve: Adam Lambert sem qualquer produto.

NOTA: Cantautor é um neologismo proveniente da união das palavras cantor e autor. O termo é utilizado no português europeu para designar os artistas musicais que escrevem, compõem e cantam seu próprio material, incluindo letra e melodia. (Wikipédia)

Autoria do Post: Josy Loos
Tradução: Kady Freilitz
Fontes: BBC Radio 2 e @INDOGLAM



Byron Cooke entrevista Adam Lambert para o seu Project U

By in junho 18, 2015 • Filed in: Áudio, Entrevista, Rádio

No final de Maio (27), o DJ Byron Cooke da Rádio Lock In da Austrália também entrevistou Adam Lambert para o seu Project U, via telefone. Confira como foi a entrevista:

Após trocarem cumprimentos e piadas sobre como a última vez que eles haviam se falado foi há bastante tempo atrás, Byron Cooke diz que ouviu as quatro músicas que haviam sido lançadas (“Ghost Town”, “Underground”, “Another Lonely Night”, “Evil In The Night”) e que elas são bem mais grandiosas, se comparadas aos trabalhos antigos do Adam. Ele atribui isso ao fato de agora o Adam estar na Warner Bros.

Adam discorda, diz que o que influencia o som é a equipe criativa e o fato de ele ter trabalhando com Max Martin e Shellback. Ele conta que levou uma demo da música “The Original High” para os futuros produtores executivos do álbum e eles adoraram tanto que disseram que queriam trabalhar com ele, com o CD todo, seguindo esse caminho. Mas diz que a Warner merece seu crédito por estar se esforçando tanto para divulgar o álbum.

Byron elogia como a melodia da música completa a letra e torna tudo mais real. Adam responde que é por causa da excelência do trabalho dos produtores, que eles escutam ele cantando, direcionam ele, trabalham por cima disso, mas ao mesmo tempo eles escutam muito as ideias do Adam e tem muita coisa no álbum que foi ideia dele. Ele diz também que ele soube que “Ghost Town” seria o primeiro single no exato momento em que ele finalizou a gravação, pois ele a considerava a forma perfeita de se reapresentar ao público por começar apenas com vocais e violão.

Cooke fala que a música é extremamente viciante e que ele não consegue esquecer o assovio. Ele também brinca dizendo que ele consegue se relacionar com o refrão da música, “My heart is a ghost town” (“meu coração é uma cidade fantasma”), porque o coração dele tem sido uma cidade fantasma desde que ele tentou, sem sucesso, convencer o Adam a sair em um encontro com ele em 2010.

Eles falam sobre como o álbum é eclético, com cada faixa seguindo algo diferente e Adam menciona que ele não fazia ideia de qual seria o estilo de música do álbum quando ele começou a trabalhar. Tudo o que ele sabia era que ele queria compor e queria que as letras fossem sobre situações e sentimentos reais que todo mundo pode se relacionar.

O próximo tópico da entrevista é sobre o vocal do álbum e de como ele está diferente. Adam diz que dessa vez ele se conteve mais e que isso foi uma experiência diferente, pois na maioria das vezes ele está dando o máximo de si e indo tão longe quanto ele é capaz.

Ele acredita que as pessoas se surpreenderão com isso, pois não estão acostumadas a ver ele sendo assim, e que esse novo tom pode ser usado para passar emoções diferentes das habituais. Ele diz também que, apesar de ele estar muito empolgado com os produtores, o vocal e a melodia foram a prioridade número um desse projeto.

Eles falam então sobre a música “Lucy”, com Brian May, que ainda não havia sido divulgada no dia da entrevista. Adam fala que a ideia da colaboração surgiu durante as viagens deles, que simplesmente surgiu o assunto e depois de um tempo ele mostrou a demo para o Brian, que gostou bastante, deu várias sugestões e resolveu gravar uma participação. Adam diz que uma das coisas mais legais de “Lucy” é que ela tem o Brian May tocando guitarra do jeito inconfundível dele, mas que ele está fazendo isso para uma música de Hip Hop. É algo que ele acredita que Brian May nunca fez antes, o que torna a música ainda mais legal, a ideia de estar unindo dois mundos.

Passam para a colaboração com Tove Lo, “Rumors”, que também não havia sido divulgada ainda. Adam diz que essa foi uma das primeiras músicas a serem escritas, logo quando ele chegou em Estocolmo. Segundo ele, a inspiração para a música surgiu de uma conversa que ele e alguns amigos estavam tendo sobre fofocas e rumores, como frequentemente as coisas saem do controle, principalmente com as mídias sociais, e de como é necessário ter pessoas por perto que você não precisa se preocupar, pois sabe que elas te conhecem bem o bastante para não acreditar nos rumores que saem na mídia.

Autoria do Post: Josy Loos
Tradução: Mariana Lira Diniz
Fontes: @Byroncooke, Project U e @projectudottv



Rádio ARD da Alemanha entrevista Adam Lambert – 09/06

By in junho 16, 2015 • Filed in: Áudio, Entrevista, Rádio

A Rádio ARD da Alemanha também entrevistou Adam Lambert na semana passada (10). Confira abaixo o que foi discutido nesta entrevista:

O entrevistador pergunta se Adam sabe falar alemão, e ele responde que gostaria mas não sabe muito.

Continua dizendo que gostaria de ver Adam em um filme de Tim Burton, e Adam responde que adora os filmes de Tim Burton. E pergunta se não tem tido alguma oferta para estar em um filme, e responde que não mas fez TV desde Glee, e teve algumas ofertas de teatro mas que agora está focado mais em sua música.

Pergunta se “Ghost Town” tem a ver com a solidão, e responde que é sobre a confusão onde você se questiona sobre o amor, e o que está procurando, e espera que esta canção seja como uma medicina e ajude a melhorar.

Ele quer saber se é verdade que Adam não pode viver sem música, e Adam responde que não pode, música ajuda ele a controlar seu humor.

Ele pergunta a Adam porque ele mudou o estilo de som para dance e Adam responde que sempre gostou de música dance, desde que era criança, e o álbum explora um estilo diferente. Ele pergunta o q significa “The Original High” e responde que tem diferente significado para cada um, mas é o sentimento de adrenalina de fazer algo pela primeira vez.

Autoria do Post: Josy Loos
Tradução: Sandra Saez
Agradecimentos: @ScorpioBert
Fontes: @AL_Nachrichten, Rádio ARD e Adam Lambert Media



Nicky Byrne e Jenny Greene da RTÉ 2fm da Irlanda entrevistam Adam Lambert – 04/06

By in junho 13, 2015 • Filed in: Áudio, Entrevista, Rádio

Nicky Byrne e Jenny Greene da Rádio RTÉ 2fm da Irlanda também entrevistaram Adam Lambert via telefone na semana passada (04). Confira:

Primeiro o entrevistador, Nicky, apresenta Adam como: “multi premiado cantor e estrela internacional Adam Lambert!”. Após as boas-vindas, os entrevistadores comentam sobre os fãs e de como o twitter entrou em frenesi depois que divulgaram que estariam entrevistando Adam. Fazem uma pequena confusão em relação ao nome correto dos fãs, mas Adam corrige dizendo que os fãs são chamados de Glamberts, pois deriva de seu nome Lambert.

Perguntam a Adam sobre a nova canção “Ghost Town” Adam responde: “Tem uma múltipla personalidade durante a canção, começa com um acústico de violão, é sobre aquele momento em que você questiona o que você é e em que você acredita, você entra em questão e começa a repensar, sabe, seu coração está partido por causa disso, você se sente perdido, vazio por dentro, então essa batida louca entra na música e eu penso que é o remédio para superar isso”. Os entrevistadores comentam a resposta de Adam, como uma resposta épica pela riqueza de detalhes. Adam se justifica e diz que é devido à prática na divulgação de seu álbum já que são muitas entrevistas.

Jenny, a entrevistadora, questiona sobre as expectativas envolvidas quando estava no American Idol em 2009, Adam responde: “Sim, eu não esperava chegar tão longe quanto cheguei. Naquela época eu só estava interessado em fazer música, escrever e encontrar pessoas para trabalhar, estava testando todas as tentativas possíveis, eu tinha 27 anos e percebi que era minha chance e pensei por que não? Estou feliz por ter feito isso, na verdade isso funcionou muito bem.” Nicky pergunta se ele terminou em segundo e quem o venceu, Adam responde que sim, terminou em segundo e o vencedor foi Kris Allen. Os entrevistadores comentam que não se lembram de Kris. Jenny então questiona se Adam concorda que às vezes é melhor não ganhar, Adam diz: “Quem sabe? Nos Estados Unidos duas grandes artistas vieram do American Idol e ambas ganharam (Kelly Clarkson e Carrie Underwood), mas temos, por exemplo, Jennifer Hudson que ficou em sétimo lugar e é fantástica, acho que é um misto de coisas”.

Nicky pergunta sobre como é estar à frente de uma banda legendária como o Queen, Adam diz: “Foi um círculo completo, digo, eu cantei ‘Bohemian Rhapsody’ na minha audição do Idol, eles convidaram-nos para a final para cantarmos ‘We Are The Champions’, foi a primeira vez que me encontrei com Brian May e Roger Taylor, havia definitivamente uma conexão, alguns anos depois nos reunimos algumas vezes, nos apresentamos no MTV EMA, fizemos alguns shows no leste europeu e em Londres, fizemos um medley de músicas no iHeart adio, foi tão bom que resolvemos entrar em turnê juntos”. O entrevistador comenta sobre a apresentação de Adam e do Queen na festa de Ano novo em Londres, Adam diz que foi fantástico. O entrevistador questiona sobre novos shows com Queen e Adam responde: “Sim, nós temos mais shows em Setembro, teremos na América do Sul estaremos no Rock in Rio, vai ser muito divertido estar lá, eu nunca estive na América do Sul então isso é muito empolgante.”

Questionado sobre seu novo álbum “The Original High”, Adam comenta que tem como produtores executivos: Max Martin e Shellback, que são grandes produtores de hits, e foram responsáveis por dois hits de sucesso em seu primeiro álbum. “Foi muito empolgante estar de volta ao estúdio com eles, nós queríamos fazer algo um pouco diferente, algo que refletisse o momento em que estou em minha vida, um novo som, uma nova vibe, trabalhei dois meses em Estocolmo, Suécia, estava em turnê com Queen, terminei-o em L.A. Foi realmente muito interessante fazer algo diferente, não é tão teatral como os que fiz no passado, é mais ‘pé-no-chão’, um pouco mais melancólico, tem um novo som. Eu entrei na vibe da house, tem um pouco de POP, R&B, estou muito empolgando para que as pessoas possam ouvir.” Nicky cita exemplos de hits de outros artistas produzidos pela mesma equipe com que Adam trabalhou e pergunta o quão incrível deve ser estar em Estocolmo escrevendo canções com um dos reis da composição POP. Adam comenta o quão legal, pé no chão, talentoso é Max Martin. Após isso o entrevistador comenta sobre a grande lista de hits feitos por ele, e Adam acrescenta: “Ele sabe exatamente exaltar o melhor no artista. Eu sou muito grato por ser um desses artistas, ele me encorajou a testar novas sonoridades em minha voz, ir a diferentes direções, tem muitas ideias novas em minha voz nesse álbum, diferente do passado”.

Questionado sobre uma turnê já que ele tem fãs ao redor do mundo Adam responde: “Espero que sim, eu realmente adoraria transformar esse álbum em uma turnê, espero que as pessoas gostem do álbum, conheçam as músicas para que assim eu possa embarcar nisso.”

Nicky agradece Adam pela presença e pede para que ele faça uma introdução de seu single “Ghost Town” que irá tocar na rádio. Adam diz: “Senhoras e Senhores, eu sou Adam Lambert. esse é meu mais novo single do meu álbum ‘The Original High’ chamado ‘Ghost Town’.” O entrevistador agradece novamente e “Ghost Town” começa a tocar.

Autoria do Post: Josy Loos
Tradução: Gabriela Macieira
Fontes: Adam Lambert TV, Adam Lambert Media e RTÉ 2fm



Sebastian “Basse” Widman da Rádio RIX FM de Estocolmo entrevista Adam Lambert – 02/06

By in junho 12, 2015 • Filed in: Áudio, Entrevista, Fotos, Rádio

Sebastian “Basse” Widman do programa Spotify Topp 40 da Rádio RIX FM de Estocolmo (Suécia) também entrevistou Adam Lambert no mesmo dia da entrevista anterior. Confira:

Basse começa a entrevista perguntando o que é a primeira coisa que aparece em mente quando escuta o nome Suécia, Adam responde “The Original High”, porque o álbum começou aí, e é ótimo estar de volta para promover o álbum, voltar nos lugares que foi antes, gosta muito da cidade.

Continua comentando sobre um fato curioso diferente dos suecos e pergunta se Adam deixa que os convidados entrem com sapatos na casa dele. E Adam responde que sim que não tem nenhum problema com isso, e ele tem uma pessoa que limpa a casa duas vezes por semana.

Elogia a canção “Ghost Town” e pede que comente um pouco sobre ela, e Adam responde que é sua canção de personalidades múltiplas, com um som diferente do que já fez antes. Pergunta como se sente ter uma canção que continua crescendo cada dia, Adam diz que é ótimo, ele quer ter a oportunidade de fazer uma turnê, se a canção é famosa isso pode ser possível.

Basse pergunta o que esperar do novo álbum, Adam responde que tem algumas canções que têm um estilo de som parecido ao “Ghost Town”, tem baladas, duas colaborações, tudo tem uma nova vibração.

Pergunta se Adam acessa o YouTube para buscar a ele mesmo, e Adam responde que às vezes depois de uma apresentação ele gosta de ir ver como foi, e ver o que pode melhorar da próxima vez.

Continua perguntando qual é o aplicativo que mais ocupa no celular, Adam responde que adora o Instagram.

Pergunta se sempre esteve claro que queria ser músico, Adam responde que sim, sempre foi atraído pela música.

Outra pergunta foi, qual foi o erro de moda maior da carreira dele, e Adam responde que pode ser qualquer coisa de três anos atrás.

E pergunta qual é o futuro dele, no que Adam responde que agora está viajando promovendo o álbum e espera que logo possa fazer uma turnê.

Autoria do Post: Josy Loos
Tradução: Sandra Saez
Fontes: Adam Lambert Media, Adam Lambert TV e RIX FM



Laila & Marko da Rádio RIX FM de Estocolmo entrevistam Adam Lambert – 02/06

By in junho 12, 2015 • Filed in: Áudio, Entrevista, Fotos, Rádio

Laila & Marko do programa RIX MorronZood da Rádio RIX FM de Estocolmo (Suécia) entrevistaram Adam Lambert no início do mês (02). Confiram como foi a entrevista:

A radio dá uma introdução em Sueco sobre Adam, e a entrevista começa perguntando se algum dia um namorado terminou com ele de uma maneira estranha, ou ele terminou mal com alguém, Adam responde dizendo que sempre tenta ser sensível sobre isso, normalmente ele se senta pra ter uma conversa, mas outra pessoa sim terminou com ele de uma má maneira, ele deixou de falar com ele de repente.

Toca a música “Whataya Want From Me”, e ele fala que essa foi uma canção bem grande, que adora e está muito agradecido por isso.

Ele pergunta como é trabalhar com os suecos, Adam responde, que se diverte muito com os suecos, todo mundo é bem descontraído, as pessoas deixam fazer o que você quiser fazer, se sente aberto e livre. Pergunta se é diferente trabalhar com os suecos comparado com outros lugares, o que Adam acha diferente é que os suecos tem mais os pés no chão, e realistas, foi uma das experiências mais descontraídas que já teve. Ele diz que tentou que Shellback falasse algo de Adam e disse que Shellback falou que Adam é um cara muito legal e um ótimo cantor. Adam diz que Shellback tem um talento maravilhoso.

Continua comentando que escutou por aí que Adam compra sapatos online quando está embriagado, Adam confirma que sim, e já não tem espaço no armário com tantos sapatos.

Eles elogiam o vídeo do “Ghost Town”, e logo começam com várias perguntas que só pode responder sim ou não. 1ª pergunta, se já jogou vídeo-game nu, Adam responde que “Sim”. 2ª pergunta, se alguma vez roubou algo, Adam responde “Não”. 3ª pergunta, se já ficou intimamente com um sueco, Adam responde “Sim”. 4ª pergunta, se já fez cocô com alguém presente, Adam responde “Sim”. 5ª pergunta, se já foi perseguido pela polícia, Adam responde “Não”. 6ª pergunta, Freddie Mercury foi o melhor cantor do mundo, você é o segundo melhor, Adam responde primeira pergunta “Sim”, segunda “Não”. 7ª pergunta, se apara os pelos pubianos, Adam responde, “Claro”. 8ª pergunta, se já fumou algum cigarro que é proibido na Suécia, Adam responde “Talvez”. 9ª pergunta, se existe alguma foto nua dele, Adam responde “Não, porque é perigoso, nunca está salvo”. 10ª pergunta, se já pagou mais de 4 mil dólares por alguma peça de roupa, Adam responde “Sim”. Última pergunta, se você ama Rix MorronZoo, Adam responde “Claro que sim!”.

Confira mais fotos aqui.

Autoria do Post: Josy Loos
Tradução: Sandra Saez
Fontes: @LambritsUK, Adam Lambert TV, Adam Lambert Media e RIX FM



Tradução de “The Original High”

By in junho 11, 2015 • Filed in: Áudio, Letras, Música

THE ORIGINAL HIGH [A Alta Inicial]
Adam Lambert, Fredrick Samsson, Larsson, West, Axident, Shellback

Eu tenho a necessidade da velocidade em uma noite quente
Tentando chegar a 150, apenas para sentir um pique
Não há conforto no conforto, Eu preciso chegar num limite
Mas o limite continua à deriva, é tudo coisa da minha cabeça
Ooh lembre-se, de volta em Hollywood
A medicação em minhas veias era você
Sim, o verão, de volta em Hollywood
A medicação, medicação

Apenas deixe-me sentir a adrenalina como a da primeira noite
Queria expirar fora, porque eu me descontrolava
Tenho que sentir o toque, como da primeira vez
Porque eu estou perseguindo a alta inicial
Perseguindo a alta inicial
Perseguindo a alta inicial
Perseguindo a alta inicial
Perseguindo a alta inicial

Estou tentando comprar um ajuste, mas isso não tem preço
Eu tento alimentar a fome que me mantém acordado à noite
Estávamos em uma viagem e eu tento repetir
Mas o ponto máximo atingido apenas não faz isso por mim
Ooh lembre-se de volta em Hollywood
A medicação em minhas veias era você
Sim, o verão de volta em Hollywood
A medicação, medicação,

Apenas deixe-me sentir a adrenalina como a da primeira noite
Queria expirar fora, porque eu me descontrolava
Tenho que sentir o toque, como da primeira vez
Porque eu estou perseguindo a alta inicial
Perseguindo a alta inicial
Perseguindo a alta inicial
Perseguindo a alta inicial
Perseguindo a alta inicial

Oooh o verão que permanece em minha mente, porque você e eu estávamos muito vivos dentro (disso)
O tempo de verão não sai da minha cabeça
O tempo de verão não sai da minha cabeça
O tempo de verão fica em minha mente porque você e eu nunca morríamos nisso
O tempo de verão não sai da minha cabeça
Perseguindo a alta inicial… alta… alta… alta… altaaaaaa
Tãoooooo altooooooo,

Apenas deixe-me sentir a adrenalina como a da primeira noite
Queria expirar fora, porque eu me descontrolava
Tenho que sentir o toque, como da primeira vez
Porque eu estou perseguindo a alta inicial
Perseguindo a alta inicial
Perseguindo a alta inicial
Perseguindo a alta inicial
Perseguindo a alta inicial

NOTA: Importante entender que “Original High” é uma expressão que precisa ser entendida como um todo. Analisada dentro desse contexto, seria como ter atingido um “frisson” – um clímax, um pico. Podemos definir isso como uma sensação de prazer intenso, um gozo na alma, a felicidade em demasia. Seria como sentir-se flutuando devido a esse sentimento, atingido numa velocidade extrema (alta).

Ouça aqui a música e aqui confira a letra original em inglês.

Autoria do Post: Josy Loos
Tradução: Mônica Smitte