Archive for the ‘Artigos e Entrevistas’ Category


Daily Tribune: “Adam Lambert está vivendo uma vida real e fantasia com o Queen”

By in julho 16, 2014 • Filed in: Artigos e Entrevistas, Queen + Adam Lambert


Brian May e Roger Taylor do Queen com Adam Lambert (centro) nos bastidores antes do anúncio da turnê norte-americana Queen + Adam Lambert no Madison Square Garden em 06 de Março de 2014 em Nova York.

Adam Lambert está vivendo uma vida real e fantasia com o Queen

Adam Lambert tinha 10 anos de idade quando ouviu “Bohemian Rhapsody” do Queen durante o hilário segmento do primeiro filme “Wayne’s World” [Quanto mais idiota melhor].

“Como criança, acho que foi a primeira vez que ouvi algo e quis saber mais sobre isso”, Lambert, 32, relembra. “Eu pensei ‘Que música é essa? É tão legal.’ e meu pai disse ‘Aqui, filho, esse é o Queen’ e me deixou ouvir mais do catálogo da banda.”

Mais de duas décadas depois, Lambert está fazendo mais do que apenas ouvindo o Queen; ele está cantando com o grupo britânico, usando sua voz que o tornou finalista do “American Idol” de 2009 (perdendo para Kris Allen) para reacender o falecido Freddie Mercury em hits como “Killer Queen”, “We Are The Champions”, “Another One Bites The Dust” e mais com os membros fundadores Brian May e Roger Taylor. A associação iniciou-se na final do “Idol”, quando Lambert cantou pela primeira vez com o Queen, e continuou pelo MTV Europe Music Awards de 2011 e vários shows no ano seguinte no Reino Unido e Europa, e no iHeartRadio Music Festival de 2013.

Esse ano, Queen + Adam Lambert estão fazendo uma turnê pela América do Norte, que o cantor – que lançou dois álbuns no Top 5 e teve um papel em “Glee” desde que saiu do “Idol” – chama de surreal.

“Se alguém tivesse me dito ‘Você estará no Madison Square Garden com eles daqui a cinco anos’ eu teria rido na cara da pessoa… É uma honra. Tenho sorte por poder fazer isso.”

Queen + Adam Lambert não é o primeiro risco que May e Taylor correram desde a morte de Mercury em 1991 (o baixista John Deacon continua inativo em todos os assuntos relacionados a banda). Os dois participaram no premiado musical “We Will Rock You” que iniciou-se em 2002 e também lançaram vários itens do catálogo pelas últimas duas décadas, incluindo cerca de 300 milhões de álbuns vendidos pelo mundo. Eles fizeram uma turnê e também gravaram com o cantor da Bad Company e Free, Paul Rodgers entre 2004 e 2009, tocaram na cerimônia de fechamento das Olimpíadas de 2012 em Londres e lançaram um show tributo em 2013 chamado “The Queen Extravaganza”.

Tocar com Lambert, entretanto, é um dos projetos favoritos que May e Taylor fizeram depois de Mercury.

“Ele é sensacional” diz Taylor, 64. “Eu o descrevo quase como um Elvis Presley exagerado. Ele tem esse alcance inacreditável, como Freddie. Adam consegue cobrir isso. Ele é um cantor extraordinário e um grande talento. Eu acho que ele se encaixa em nossa teatralidade. Foi bem confortável.”

May, 66, adiciona que “Uma das melhores coisas sobre Adam é que ele nunca é um imitador.”

“Ele acha seu próprio estilo nas músicas, e é isso que todos nós queremos” ele diz. “Nós queremos que nossa música fique viva, perigosa e aberta a mudanças. Freddie odiaria ter tudo reproduzido da maneira como foi. Nós levamos à outros níveis – isso anima, e eu não acho que estaríamos fazendo isso se não achássemos que estaríamos indo em um novo território.”

O guitarrista – que também tem um doutorado em astrofísica – reconhece que existem pessoas que perguntam “Esse é mesmo o Queen sem Freddie?” mas ele diz que essa encarnação do grupo está servindo uma demanda.

“As pessoas querem ouvir as músicas do Queen” ele explica. “Eles querem ouvi-las, e querem que Roger e eu toquemos. Roger e eu não estamos desesperados para fazer o que fazíamos, porque fizemos isso. Não é como se estivéssemos procurando alguém para cantar conosco. Organicamente, isso aconteceu com o Adam. Nós nos sentimos bem com isso, e não estaríamos aqui se não achássemos que foi certo e natural. Então ter essa oportunidade é ótimo para mim. Nós ainda estamos vivos, graças a Deus, e ainda estamos saudáveis o suficiente para sair e tocar por mais algum tempo.”

Nem May e Taylor nem Lambert estão especulando sobre seu futuro após o verão; a turnê norte-americana termina dia 28 de Julho em Toronto, e o grupo fará quatro shows na Austrália no final do verão. Lambert está trabalhando em seu terceiro álbum solo, enquanto May e Taylor também estão envolvidos em uma biografia de Mercury e uma possível adaptação cinematográfica do musical “We Will Rock You”, assim como “Queen Forever”, um álbum com material não lançado com Mercury, previsto para o outono.

Mas eles estão felizes por estarem tocando juntos no momento – assim como o pai de Lambert, que lhe mostrou a música do Queen há mais de duas décadas.

“Ele disse ‘Meu deus! Você está no palco com o Queen! Mal posso acreditar!” Lambert diz rindo.

Fontes: Talented Artists of the Glamily (T.A.O.G) e Daily Tribune

Tradução: Carolina Martins C.

Share/Bookmark


The New York Times fala sobre Adam Lambert à frente do Queen na turnê

By in julho 12, 2014 • Filed in: Artigos e Entrevistas, Queen + Adam Lambert

Confiram o que o site do The New York Times publicou em sua página sobre Adam Lambert frente à banda Queen na turnê:

Assumindo, à Frente

Costumava ser chamado de Enigma de Sammy Hagar e recentemente foi renomeado como a Provocação de Arnel Pineda: O que fazer quando sua banda favorita resolve fazer turnê e vai para o estúdio de gravação com uma outra pessoa nos vocais? Esta é a situação desesperadora que vivem os fãs do Queen, cujo vocalista, Freddie Mercury, morreu em 1991, e deixou um grande vazio – em voz e atitude – que poucos ousariam mesmo tentar preencher.

Mas os membros remanescentes da banda estão cientes do legado do grupo e estão sempre procurando por oportunidades, embora não imaginassem encontrar uma no palco do “American Idol.” Foi em 2009 que eles fizeram uma participação com Adam Lambert, o concorrente mais teatral da história do programa, e um dos vocalistas mais talentosos também. (Eles também tocaram com o eventual vencedor, Kris Allen, um camundongo perto do tigre Lambert.)

Cinco anos depois, o Sr. Lambert está a frente do Queen em turnê – ele não é Freddie Mercury, mas um inesperado e digno substituto.

Fonte: The New York Times

Tradução: Graça Vilar



Winq: “Adam Lambert continua a impressionar com o Queen”

By in julho 10, 2014 • Filed in: Artigos e Entrevistas, Queen + Adam Lambert, Shows, Vídeos

Adam Lambert continua a impressionar com o Queen

Já tendo silenciado qualquer dúvida sobre sua habilidade de substituir o lendário Freddie Mercury, Lambert está preparado para impressionar, e julgando pelo último vídeo de sua turnê com o Queen, ele certamente está fazendo.

No último vídeo, filmado em Las Vegas durante a turnê norte-americana do Queen + Adam Lambert, o ex-participante do American Idol tem a voz e o visual de cair o queixo e apresenta sem esforços “Somebody To Love”, o que faria Freddie tirar o chapéu.

Assista os vocais de fazer parar o trânsito de Lambert abaixo.

Fontes: Adam Lambert Fan Club e Winq

Tradução: Carolina Martins C.



Las Vegas Review-Journal: “Queen + Adam Lambert é vida real não só fantasia”

By in julho 8, 2014 • Filed in: Artigos e Entrevistas, Queen + Adam Lambert, Shows

A esquerda, Adam Lambert, Brian May e Roger Taylor do Queen + Adam Lambert se apresentam durante a abertura da turnê no United Center em 19 de Junho em Chicago.

Queen + Adam Lambert é vida real não só fantasia

Queen é uma das bandas mais ridículas de todos os tempos.

Eles também são um dos melhores.

Este par de truísmos dificilmente não é relacionado.

Afinal, os melhores artistas são os mais inimitáveis, certo?

E quem poderia fazer o que o Queen fez da mesma maneira que eles fizeram?

Ousado, brilhante, exagerado, um absurdo: Queen é todas essas coisas ao mesmo tempo.

Sério, que tão longe está essa lendária banda?

Vamos contar apenas algumas das maneiras:

Eles substituíram um dos maiores cantores de rock n’ roll de todos os tempos, com um vice-campeão do “American Idol”. E eles fizeram isso funcionar.

Sim, “American Idol” nos deu algumas estrelas, exemplo, a boneca Barbie Carrie Underwood e seu inverso, Kelly Clarkson, que a seu crédito, pelo menos tem uma personalidade parecida de um ser humano.

Além disso, temos certeza que todos os parques de diversões no Centro-Oeste estão felizes em ter Daughtry para apresentar-se.

Mas principalmente, o show acabou nos dando um monte de futuras perguntas tipo Jeopardy!

Vou levar “Ídolos falsos” por US$ 400, Alex.

Resposta: Esse cara foi estacionar o seu carro e está roubando seu troco.

Pergunta: Quem é Bo Bice?

Queen, no entanto, tem usado seus incríveis poderes supremos para fazer o vice-campeão do “American Idol”, Adam Lambert uma exceção, no entanto.

O primeiro disco solo de Lambert de 2009 “For Your Entertainment” fez bem o suficiente por ter ficado em segundo lugar na oitava temporada do show.

Mas o seu seguinte album, “Trespassing” em 2012, teve pouca atenção.

Apesar do talento formidável do cara, sua carreira estava demonstrando sinais de instabilidade, quando ele recebeu o convite do Queen para formar o que é uma parceria mútua.

Lambert tem a voz que iguala a ginástica vocal de Freddie Mercury, uma amálgama de ternura, atitude e entusiasmo.

Ele também tem presença, a julgar pelo seu desempenho com Queen no iHeartRadio Music Festival do ano passado no MGM Grand, onde comandou o palco com uma confiança quase improvisada, e olhando para o público como alguém que tinha acabado de furar a fila na frente dele na Sephora.

Ninguém pode substituir Freddie Mercury.

Mas Lambert tem o poder de comandar a si mesmo como se fosse o show dele.

Eles escreveram músicas sobre as batalhas de ogros e reis de fadas.

Você vè o encarte dos dois primeiros discos do Queen e você espera que a metade das letras seja creditado a Baggins, Bilbo.

É como uma feira de renascimento do rock n’ roll.

Ou seja, aqui está uma amostra do terceiro verso de “The Fairy Feller’s Master-Stroke” do “Queen II”: “Oberon and Titania watched by a harridan / Mab is the queen and there’s a good apothecary-man / Come to say hello /Fairy dandy tickling the fancy of his lady friend / The nymph in yellow / What a quaere fellow” ["Oberon e Titania vigiado por uma bruxa / Mas é a rainha e há um bom homem farmacêutico / Que veio dizer olá / Fada dandy agradando a fantasia de sua amiga / O ninfa em amarelo / que um companheiro desejou"].

De repente, você estará falando em um Inglês antigo e impressionando mulheres em um instante.

Mas a coisa é que “Queen II”, mesmo que você nunca tenha se vestido como um druida e seu idioma Tolkien é de tal maneira que você nem sequer sabe o seu Nandorin do seu Sindarin (Pela última vez gente, Nandorin é língua original da Floresta das Trevas, também conhecido como Greenwood, o Grande, enquanto o Sindarin é o mais antigo dialeto do reino élfico de Doriath. Vamos lá!).

Eles introduziram o rock n’ roll em uma peça de malha completa.

E que introdução foi essa.

Supomos que foi um pouco parecido a isto:

Freddie Mercury: ‘Isto é rock n’ roll, e esta é a minha peça de malha completa brilhante. Eu escolhi porque ele responde a pergunta: Qual seria a sua aparência se eu fosse vomitado por uma bola de discoteca?

Rock n’ roll: Muito doce. Mas você tem um vermelho brilhante enfeitado com globos oculares?

Mercury: Mas claro.

E com isso, nem o rock n’ roll nem nenhuma roupa de rock seria o mesmo.

O vestuário de palco de Mercury permanece sendo uma das modas mais impressionantes e estranhas do rock n’ roll de todos os tempos.

Parecido como suas canções: único.

Agora, Lambert não está tentando igualar os trajes extravagantes de seu antecessor malha por malha.

Ele favorece um guarda-roupa nada-mais-negro, com muito couro justo ao corpo e jaquetas de aspecto futurista.

Hey, se você não pode vencê-los, junte-se a eles.

Que é exatamente o que Lambert fez.

Três palavras: Bohemian Effin Rhapsody.

Esta canção não faz sentido.

Na verdade, não é nem mesmo uma canção – são três delas em cinco minutos e 55 segundos de ótima música.

Veja quão absurdo parece no papel: Comece com uma balada agridoce tão sincera, poderia evocar as lágrimas de uma barra de ferro. Então, entra a tal balada com uma guitarra solo que dá lugar a uma passagem de ópera com letras que parece de físicos italianos do século 17 e que são parcialmente cantadas em árabe. Para o grande final, ruge um rock super pesado que uma vez torceu o pescoço de um dos membros de elenco do “Saturday Night Live” através de uma inexplicável comédia popular no início dos anos 90.

Se os caras do Arcade Fire dissessem que eles iriam tentar algo assim, você daria um soco na cara deles por haver sugerido isso.

E você faria isso com aplausos ao redor.

Mas Queen não só conseguir fazer isso, eles tornaram em um dos singles mais vendidos de todos os tempos.

Isso é a vida real?

É só fantasia?

Para Queen, nunca houve muita diferença entre os dois.

Nem antes, nem agora.

Fontes: Talented Artists of the Glamily (T.A.O.G) e Las Vegas Review-Journal

Tradução: Sandra Saez



Female First: Saiba quem é a estilista de Adam Lambert na turnê Queen + Adam Lambert

By in julho 8, 2014 • Filed in: Artigos e Entrevistas, Fotos, Moda, Queen + Adam Lambert

O site Female First, do Reino Unido. publicou um artigo sobre os looks usados por Adam Lambert na turnê com o Queen, elogiando a estilista responsável pelo guarda-roupa da turnê, Jennifer Rade.

Confira abaixo as fotos postadas pelo site e o que foi comentado a respeito de cada uma delas:

Adam aqui usa uma jaqueta de couro com spikes da Versace com o que deverá ser a tendência de joias da temporada, uma gargantilha de “Todos os Santos”.

Nós particularmente amamos essa jaqueta de franjas, que o próprio Adam personalizou com tachas, cristais, spikes e pintura.

Este não é o único item personalizado que ele está usando no palco. As botas de salto alto são da marca Buffalo x Solestruck e foram personalizadas com material dourado no bico e no salto.

Nosso look favorito, de longe, é seu terno Anthony Franco, que é decorado com cristais Swarovski e spikes dourados que ele usa com uma coroa de ouro. O toque perfeito.

Agora, confira abaixo a foto de Adam publicada na página de Jennifer e sua respectiva legenda. E para ver outros looks de Adam criados por Jennifer, clique aqui.

Ao longo da turnê Adam está arrasando com roupas de estilistas como Versace, Anthony Franco, Guiseppe Zanotti e muitos outros. Ele está criando tendências sérias na moda.

Adam está definitivamente dando aos Glamberts de todo o mundo algo que vale a pena assistir!

Fontes: Talented Artists of the Glamily (T.A.O.G), Female First, Jennifer Rade (1) e Jennifer Rade (2)

Tradução: Graça Vilar



AXS: “Adam Lambert é vocalista da banda icônica com um toque teatral e alcance vocal dinâmico”

By in julho 8, 2014 • Filed in: Artigos e Entrevistas, Queen + Adam Lambert, Shows, Vídeos

Adam Lambert é vocalista da banda icônica com um toque teatral e alcance vocal dinâmico

“Quando fizemos nossa primeira turnê, como um set completo, foi definitivamente intimidador”, disse Adam Lambert em uma entrevista ao Toronto Sun. “A ideia é que eu seria o vocalista em frente a grandes fãs do Queen, cantaria uma grande parte do catálogo e com pouco tempo para juntar tudo isso. E nós fizemos isso e ficou muito, muito bonito, e quando aconteceu em Vegas, eu senti que isso se estabilizou um pouco mais.”

O finalista da oitava temporada de American Idol disse isso sobre sua turnê norte-americana de 2014 Queen + Adam Lambert que esgotou em alguns lugares, incluindo no Madison Square Garden em Nova York. Lambert leva seu trabalho a sério, já que está no lugar do falecido Freddie Mercury, e foi aclamado pela crítica.

Talvez o maior elogio venha do guitarrista do Queen, Brian May, que disse ao Toronto Sun que Mercury e Lambert teriam se dado bem, se Mercury ainda estivesse vivo. Ele disse: “Eles se dariam muito bem. Adam tem um grande respeito pelo Freddie, e eu sei que se Freddie visse Adam se apresentar, ele também o respeitaria, porque Adam é um instrumento incomparável e um grande artista, e Freddie gostaria dele, sem dúvidas.”

Lambert também estava lotando shows próprios com seu próprio material e seu álbum de estreia em 2009, “For Your Entertainment (que contou com um single nomeado ao Grammy, “Whataya Want From Me”) e seu segundo álbum nº 1 na Billboard, “Trespassing”, que foi votado melhor álbum do ano na Rolling Stone em 2012.

Lambert é conhecido por seus figurinos deslumbrantes (calças com estampa de leopardo, couro e spikes, botas) e toque exagerado e teatral no palco. Dessa forma, ele encarna Mercury e a vibe retrô do Queen. Quem dos artistas atuais poderia ter mais sucesso seguindo os passos extravagantes de Mercury?

O artista abertamente gay, com um passado no teatro, atraiu uma grande legião de fãs desde seus dias no American Idol. Ele graciosamente voltou ao programa que lançou sua carreira para se apresentar e ser um mentor para os participantes. Ele também foi aclamado pela crítica ao interpretar Elliott na série de TV, Glee.

O carisma, aparência, senso de moda e alcance vocal do astro pop-rock continua a trazer fãs de Lambert à shows esgotados, dois álbuns de estúdio, um álbum ao vivo e 4 compilações. Ele também conseguiu novos fãs sendo vocalista de uma das maiores bandas de rock clássico da história. A maneira com que ele mostra seu estilo nas músicas (como “Bohemiam Rhapsody”) que impactaram milhões de pessoas por várias décadas é a prova da coragem e conforto com a qual ele se apresenta.

Adam Lambert claramente gosta de seu tempo no palco, seja sozinho ou com o Queen. Ele gosta de engajar a plateia e fazer um grande show – geralmente sem barreiras no que ele quer mostrar. Plateias se juntaram pelo mundo para pedir mais, e como alguns colegas musicais, como Lady Gaga, ele está pronto e sem medo de mostrar seu talento. Seu bis apaixonado de “We Will Rock You/We Are The Champions” na turnê com o Queen prova tudo isso.

Fontes: Adam Lambert TV e AXS

Tradução: Carolina Martins C.



Music Fashioland: “Tudo o que você queria saber sobre o Figurino de Adam Lambert na Turnê Queen + Adam Lambert”

By in julho 8, 2014 • Filed in: Artigos e Entrevistas, Fotos, Moda, Queen + Adam Lambert

Tudo o que você queria saber sobre o Figurino de Adam Lambert na Turnê Queen + Adam Lambert

Adam Lambert se juntou com o Queen neste verão para a turnê norte-americana de 24 datas que começou em 19 de Junho no United Center em Chicago. A turnê continuará com seis shows na Austrália em Agosto e início de Setembro, seguido por dois shows no Japão e um na Coreia do Sul.

“Adam é um vocalista incrível”, diz Roger Taylor durante uma conferência de imprensa em março: “Ele é uma grande diva, e eu quero dizer da melhor maneira possível. Precisamos da sua teatralidade”.

“A ideia de dividir o palco com eles e fazer um show completo na América do Norte é maravilhosamente surreal”, Adam disse em um comunicado: “Sinto-me honrado de ser capaz de prestar minhas homenagens à memória de Freddie; ele é um herói pessoal meu, e eu sou profundamente grato pela oportunidade de cantar essas poderosas músicas para os fãs desta banda lendária. Eu sei que essa turnê será um grande marco para mim, e com o apoio de Brian, Roger e o resto da banda, eu sinto que a magia vai ser exibida.”

Adam foi ao seu Twitter nesta sexta-feira, para agradecer pessoalmente a figurinista e estilista Jennifer Rade por ajudá-lo a montar o figurino para a turnê.

O figurino da turnê é uma fusão de algumas peças de assinatura de Adam com novas, a maioria feitas à medida e personalizadas, e aqui é o MFL EXCLUSIVO especial que prometi – os créditos da moda completos das suas cinco trocas de roupa.

Look #1

Blusa regata preta personalizada ornamentada com cristal e o amado jeans justo da Rock & Republic, acompanhado com uma jaqueta Versace AW14 estilo motoqueiro com metal, que também apareceu na campanha da próxima temporada de Mert & Marcus (sou eu ou está ficando quente aqui?).

O visual foi completado com um óculos de sol “Janis” da MYKITA & Bernhard Willhelm em Chicago e óculos Sama Mulholland Drive em acetato preto e titânio em Winnipeg, um colar Ariel do AllSaints com acabamento de hematita contrastado com placas rebitadas, luvas personalizadas e um par de ankle boots Giuseppe Zanotti AW13 com salto banhado a ouro.

Look #2

Troca de jaqueta e botas.

A jaqueta de manga de couro preto com franjas da turnê We Are Glamily foi glambertizada com tachas, cristais, spikes e pintura. #ameeei

As botas são Buffalo x Solestruck 1410-12E com salto 6,5, totalmente personalizado com material de ouro na ponta e no salto.

Fumaça!

Meu ventilador está ligado agora, então vamos continuar…

Look #3

Camisa com detalhes em renda lacado em cobre de Anthony Franco da mesma coleção que do terno usado na gala do TrevorLIVE, jeans de cobre Hugo Boss de Adam, e botas de couro de bezerro Yves Saint Laurent em leopardo.

Look #4

Camiseta Saint Laurent SS14 com estampado tigrado e jeans brancos da Diesel (em Winnipeg foi um jeans justo preto da Saint Laurent).

Colete de motoqueiro de couro preto com tachas de cristal é personalizado pela BLK DNM.

Luvas brancas para dirigir sem dedos e botas com cadarços do Dr. Martens para completar o look.

Look #5

O último look consistiu em um terno estampado de leopardo de algodão ornado com cristais Swarovski e tachas douradas (exclusivo close-up para você ver abaixo) – criação personalizada de Anthony Franco, baseada na coleção AW13 Couture do estilista de Los Angeles.

Coroa personalizada e creepers dourados da Underground deram os últimos retoques para a última troca de vestuário.

“É incrível trabalhar com Adam”, Jen Rade compartilhou com a Music Fashionland, “extremamente criativo com muitas ideias e ele foi parte de cada peça produzida e cada look. Ele é como um estilista com uma voz extremamente incrível risos!”.

Fontes: @AdamLambert_INA e Music Fashioland

Tradução: Sandra Saez



Review de um Fã do Queen do Show Queen + Adam Lambert em Los Angeles, CA (EUA) – 03/07

By in julho 7, 2014 • Filed in: Artigos e Entrevistas, Fotos, Queen + Adam Lambert, Shows

Queen + Adam Lambert no Forum em LA – 03 de Julho de 2014

Eu tinha 13 anos em 1973 quando meus pais me compraram um rádio AM/FM. Eu passava horas ouvindo os hits da época: Elton John (“Crocodile Rock”), Grand Funk Railroad (“We’re An American Band”),Edgar Winter Group (“Frankenstein”), Carly Simon (“You’re So Vain”), George Harrison (“Give Me Love”), Albert Hammond (“It Never Rains In California”) e muitos outros. Eu lembro de ser fã de praticamente tudo que tocava, desde o rock de Gordon Lightfoot e Simon & Garfunkel, ao funk de War e Ohio Players e o pop de Three Dog Night e Harry Nilsson. Eu ouvia “Nights In White Satin” do Moody Blues e “Lean On Me” do Bill Withers.

No ano seguinte, eu me juntei ao Columbia Record Club, que era uma ótima forma de descobrir novas músicas quando não se tinha idade para dirigir ate às lojas de música. Todo mês eu recebia um catálogo e escolhia as músicas de uma variedade de gêneros. Eu me lembro de conseguir músicas de grupos como Chicago, Blood Sweat & Tears e Cat Stevens.

E então aconteceu – “Queen II” foi lançado. Eu nunca tinha ouvido falar de Queen, mas a capa do álbum me chamou a atenção, então eu encomendei. Depois de uma semana o álbum chegou e me lembro de pensar como a capa era legal com o fundo preto e no interior branco. Essa banda, e esse álbum em particular, me mostrou pela primeira vez o rock de arena. Era tudo sobre KISS, Rush, Blue Oyster Cult, UFO, Aerosmith, etc etc. Desde o dia em que chegou, “Queen II” é meu álbum favorito. Era dramático, melódico, obscuro, angelical, viciante, grandioso e bem, bem pesado. O Queen era bem popular nos anos 70 e 80, mas a maioria dos fãs ficariam surpresos em saber o quão ameaçador era o álbum.

Sete meses depois, em Novembro de 1974, veio o novo álbum do Queen, “Sheer Heart Attack”. Esse álbum foi uma revelação, em que a banda continuou com a mitologia hard rock do álbum anterior e misturou com um gênero eclético novo.

Então aqui estamos nós, 40 anos depois. Freddie se foi há 32 anos, mas o Queen continua. Um artigo recente na Rolling Stone disse que o “Queen começou e terminou com Freddie Mercury”, mas não é assim que aconteceu. Claro que Freddie Mercury foi um talento imenso e único na história. Ele era o canudo que mexia a bebida. Mas a bebida também era potente. Sem Brian May, John Deacon e Roger Taylor, Mercury poderia nunca ter achado sua criatividade que inspirou a si mesmo e todos nós por tantos anos. O Queen sempre teve a energia dos quatro membros originais da banda; é só ouvir qualquer um de seus álbuns solos para ver que eles dependiam uns dos outros.

Freddie nos deixou muito cedo e John Deacon se aposentou logo depois. Então, esse deveria ter sido o fim do Queen? Essa não é uma escolha nossa, já que May e Taylor decidiram que o Queen ESTÁ vivo e eles ainda amam tocar as músicas que eles ajudaram a escrever e gravar. Para ajudá-los a trazer vida a essas músicas, eles se juntaram ao finalista do American Idol, Adam Lambert. Eu nunca tinha ouvido falar de Lambert antes de um amigo me perguntar se eu havia visto sua performance de “Whole Lotta Love” do Led Zeppelin. Então eu fui ao YouTube procurar. Caramba, aquela foi uma grande performance! Ele cantou ótimas versões de músicas do KISS, Steppenwolf, Queen e outros. Se o Queen estava procurando alguém para substituir o insubstituível, parece que acharam o cara certo para o trabalho.

Isso nos leva à noite de quinta no fabuloso Forum em Los Angeles. O lugar estava cheio de antecipação quando as luzes apagaram e do palco veio o som de “Procession”. Fumaça saiu de baixo da cortina e as luzes brilharam com a música enquanto o palco parecia se acender como um sol branco. Agora a cortina e o palco ficaram com um azul transcendental com o som de “Now I’m Here” (do “Sheer Heart Attack”). E quando a harmonia aumentou, vimos uma grande sombra de Adam Lambert, a cortina saiu e começou, 1974 de novo!

Continuando a festa de 74, eles tocaram “Stone Cold Crazy”, também do “Sheer Heart Attack”. Desde o início, a banda parecia estar em forma – poderosa, melódica e majestosa. Lambert cantou como se fosse o dono do local. Ele não tentou imitar Mercury tampouco escondeu a influência de Freddie sobre ele. Quando ele começou a cantar a próxima música, “Another One Bites The Dust”, eu estava dentro com Lambert. Ele pode substituir Freddie Mercury? Claro que não – mas ele é perfeito para essa versão do Queen.

Na música seguinte, “Fat Bottomed Girls”, Lambert mostrou que podia dominar a plateia com um dos maiores hinos do Queen, enquanto a banda, especialmente Brian May, arrasavam. Fãs, como eu, que acompanham desde antes do “A Night At The Opera”, estavam sendo agraciados com “In The Lap Of The Gods”, “Seven Seas Of Rye” e “Killer Queen”. O Queen tinha tantos hits colossais antigamente, e todos eles são de 1975 em diante, e foi surpreendente ouvi-los tocar cinco músicas antes desse tempo logo durante as sete primeiras músicas.

Queen tocou por mais de duas horas com 21 músicas em seu set. Eles tocaram todos os hits esperados como: “Somebody To Love”, “Under Pressure”, “Radio Gaga” e “Crazy Little Thing Called Love”. Uma das performances mais poderosas, em um show cheio delas, foi “Tie Your Mother Down” do álbum “A Day At The Races” de 1976. Brian May fez seu solo poderoso e Adam Lambert mostrou que consegue cantar essa música como fez com Zeppelin no American Idol. E na bateria estava o filho de Roger Taylor, Rufus, que parece e toca como um Taylor Hawkins mais novo.

No meio do set eles diminuíram a velocidade com May, e depois Taylor, vieram em um pequeno palco central para conectar com a audiência como o Queen original. May cantou “Love Of My Life”, acompanhado da plateia, quando Freddie Mercury se juntou na tela. Poderia parecer um momento sentimental barato, mas Brian May e o grupo são tão sinceros sobre seu amor e respeito por Mercury que é um tributo tocante. Depois disso, May se juntou ao resto da banda, sem Lambert, para uma versão acústica de “’39″, que foi escrita e cantada por Brian May. Então Taylor cantou “The Are The Days Of Our Lives”, em frente a um slide show com fotos do Queen antigamente. Seu eu tivesse uma reclamação em relação ao show foi que essa seção pareceu ser um pouco longa, especialmente quando fizeram o mesmo durante sua turnê com Paul Rodgers nos anos 2000. É uma pequena reclamação, mas May e Taylor comandam – não eu!

O set principal acabou, como esperado, com o maior hit do Queen, “Bohemiam Rhapsody”, em modo sobrecarregado. Primeiro Lambert aparece e canta o primeiro verso, seguido de Mercury na tela cantando o segundo verso. A maneira como colocaram o vídeo fez parecer que Freddie estava lá cantando para nós. Então May fez o solo de guitarra usando um roupão dourado. A banda saiu do palco, como sempre, enquanto o vídeo e show de luzes fizeram um grande espetáculo. Então a banda volta em estilo heavy metal para terminar a música e o set.

O bis de “We Will Rock You” e “We Are The Champions” poderia ter sido uma queda depois de experienciar “Bohemiam Rhapsody” – mas então a bateria de Roger Taylor começou a soar, Brian May lançou acordes poderosos e Adam Lambert apareceu com uma roupa de onça e uma coroa de ouro. A banda mostrou para o Forum esgotado porque eles dominaram o mundo por mais de uma década há anos atrás. Durante o bis, assim como o resto do show, a luz e os efeitos de palco foram surpreendentes e me trouxeram de volta aos anos de glória do rock.

1973 pode ter sido meu primeiro ano prestando atenção à música, mas foi no ano seguinte que tudo se juntou. Em uma noite essa semana, foi 1974 novamente, mas foi maior e mais barulhento do que eu me lembrava. Vida longa ao Queen!

PS: Obrigado ao meu amigo John, com quem eu tenho ido à shows desde 1975, por outro grande show e ótima viagem à LA.

Clique aqui para conferir as suas fotos do show.

Fontes: Adam Lambert Fan Club e Maxsounds

Tradução: Carolina Martins C.



Something Else! : “É uma grande banda”: Adam Lambert escolhe suas músicas favoritas do Queen

By in julho 7, 2014 • Filed in: Artigos e Entrevistas, Queen + Adam Lambert, Vídeos

“É uma grande banda”: Adam Lambert escolhe suas músicas favoritas do Queen

Com um histórico com o Queen que vai desde seus primeiros momentos como celebridade nacional, Adam Lambert teve bastante tempo para se familiarizar com seu catálogo. E, é claro, antes mesmo de dividir o palco pela primeira vez com Brian May e Roger Taylor durante a final de 2009 do American Idol, Lambert era fã da grande personalidade de Freddie Mercury.

Agora, depois de várias performances, Lambert está em uma turnê mundial com o Queen. Isso torna mais difícil escolher uma música favorita do Queen.

“É difícil escolher uma favorita”, Lambert admite, em uma entrevista do AT&T Live Proud. “Quero dizer, eu cantei tantas delas nas últimas semanas que não sei. Depende do meu humor.”

Ele aprecia a profundidade impressionante de suas realizações: “Se você quer o meu tipo favorito sexy, agressivo, acho que ‘Another One Bites The Dust” é uma “, acrescenta Lambert. “Se você quer uma que é um pouco mais profunda e emocional, ‘Who Wants To Live Forever” é incrível. Há músicas para todos os gostos no catálogo do Queen. Isso é o que os torna uma banda tão incrível.”

Fontes: Adam Lambert Fan Club e Something Else!

Tradução: Carolina Martins C.



whosravennow: “Queen + Adam Lambert: O conto das três cidades – Parte 3 -Vancouver”

By in julho 6, 2014 • Filed in: Artigos e Entrevistas, Fotos, Queen + Adam Lambert, Shows

Queen + Adam Lambert: O conto das três cidades – Parte 3 – Vancouver

Antes de falar sobre Vancouver, eu quero colocar algumas fotos de Calgary. Um conselho para quem planeja seguir Queen e Adam para mais de um show – levem um laptop. Eu estava com meu iPhone e meu iPad, mas foi um pouco difícil de ver as mais de 500 fotos tiradas. Agora que estou em casa, com meu iMac, e não, esse não é um anúncio da Apple – eu consegui achar umas fotos melhores e as postarei abaixo. (Clique aqui para conferir estas fotos.)

E isso conclui minhas fotos de Calgary. Agora a parte 3:

Vancouver, 28 de Junho, Rogers Arena.

Eu tive a sorte de alugar um apartamento do outro lado da rua da arena, e convenci minha amiga Jody a vir comigo. Ela é uma grande fã do Queen, mas graças a minha pequena obsessão, ela também se familiarizou com Adam Lambert. E como eu a levei para Phoenix, Arizona, em 2012 para ver Adam se apresentar ao vivo, ela sabia que ele conseguiria, da sua própria maneira, fazer jus ao papel de Mercury. Eu não repetirei o fato óbvio que todos os jornalistas falam, que só há um blá blá blá. Estávamos lá pela música do Queen e pela performance carismática de Adam Lambert (e seu poderoso alcance vocal), assim como o resto da plateia.

Mesmo com chuva o dia inteiro, o céu estava limpo e o sol brilhava sobre as pessoas na fila para entrar na arena. O show parecia estar esgotado. Ao invés de pessoas vendendo ingressos, haviam pessoas procurando alguém que vendesse. Isso foi confirmado na arena. Estava cheio, e não havia nenhum lugar vazio próximo a mim. Nós compramos ingressos para a segunda fileira, assentos 1 e 2, que ficavam a esquerda do palco. Ótimos lugares para se ver um show ao vivo, mas não muito bom para tirar fotos, devido ao ângulo e iluminação. Enquanto o cara atrás de mim estava ocupado explicando as qualidades do Sr. Lambert aos seus amigos, os fãs do Queen eram a força dominante. Na minha frente havia um grande fã do Queen. Ele viu o Queen em Vancouver duas vezes antes – 1978 e 1980. Ele não só sabia todas as músicas mas também todos os álbuns em que se encontravam, e também o trabalho solo de Freddie. Foi como ter uma aula de história do Queen. Ele era um adorável homem com espírito generoso. Eu lhe perguntei o que ele achava de Adam Lambert e ele disse que mesmo não conhecendo-o, ele confiava no julgamento de Brian May e Roger Taylor. Eu achei que seria legal ver sua opinião após o show.

Havia animação e dava para sentir a energia. Quando Adam cantou as primeiras letras de “Now I’m Here” (escrita por Brian May), a plateia arquejou e não precisava mais ser convencida. Eles estavam de pé cantando e dançando. A cortina subiu, a plateia gritou e minha última noite começou. Eu precisei aproveitar cada minuto. Quando Brian May foi cantar “Love Of My Life”, ele encorajou a audiência a cantar se soubessem a letra. A arena tomou vida com todos cantando juntos. (Eu não canto, então ouvi) Vancouver tem ótimas vozes. Até Brian pareceu surpreso. Quando Freddie apareceu na tela, para cantar o final, uma mulher atrás de mim chorou.

Sim, o Queen faz isso.

Depois do solo de bateria e o duelo entre Roger e seu filho Rufus; Adam Lambert novamente se juntou a Roger para cantar “Under Pressure” e todos estavam animados!

Minha amiga Jody disse que esse foi o melhor show que ela já foi. Ouvi essa frase várias vezes. O grande fã do Queen que me deu uma aula de história me deixou passar para a primeira fileira para tirar algumas fotos. Ele ficou impressionado com Adam e amou o show, mas ficou decepcionado que “Don’t Stop Me Now” foi tirada do setlist em Vancouver. Não sei porque a tiraram, talvez estivessem sem tempo. Eu também percebi que não parecia haver muita interação com os VIPs como nos shows anteriores. Mas no geral o show foi brilhante e Adam foi fenomenal. As músicas que mais gostei foram “Fat Bottomed Girls”, “I Want It All”, “Somebody To Love”, “Crazy Little Thing Called” Love e minhas favoritas – “Love Kills” e “Who Wants To Live Forever” – em que Adam arrasa.

Antes das minhas fotos de Vancouver, aqui estão minhas considerações finais de cada cidade. Lembre-se de que essas observações foram influenciadas pelas minhas vantagens. Sua experiência pode ser diferente da minha, mas tenha certeza de que você se divertirá com Queen e Adam Lambert.

Plateia mais alta – Edmonton – e a única cidade em que fizeram a “ola”.

Mais chapéus de cowboy – Calgary – Até Brian May entrou no papel e colocou um em seu solo. Calgary com certeza deu amor.

Melhor plateia cantando junto – Vancouver – Foi incrível.

Agora, aqui estão minhas fotos finais de minha pequena aventura. Apreciem.

Clique aqui para conferir as suas fotos do Show em Vancouver. E aqui para ler a Parte 1 (Edmonton) e aqui a Parte 2 (Calgary).

Fonte: whosravennow

Tradução: Carolina Martins C.



NOLA: “Queen e Adam Lambert trazem rock icônico para o Sul: Você estará lá?”

By in julho 5, 2014 • Filed in: Artigos e Entrevistas, Queen + Adam Lambert, Shows

Queen, com Adam Lambert como vocalista, se apresentou no United Center, Chicago, Illinois, em 19 de Junho de 2014. A banda aparecerá no Toyota Center em Houston, Texas, em 19 de Julho, no show mais acessível para fãs da área de New Orleans. (Foto by Neal Preston)

Queen e Adam Lambert trazem rock icônico para o Sul: Você estará lá?

Em seu único show na região do Golfo, o Queen – mais o vocalista Adam Lambert – trarão sua primeira turnê em oito anos ao Toyota Center em Houston dia 9 de Julho, que é o mais próximo de New Orleans, e é esperado que fãs viagem para ver a turnê que Brian May disse ser, provavelmente, a última da banda.

Desde a morte do vocalista poderoso, Freddie Mercury, em 1991, Queen – que ainda tem May e o baterista Roger Taylor dos membros originais – se esforçaram para achar alguém capaz de substituir o grande Mercury. Eles tentaram com o vocalista da Bad Company Paul Rodgers em uma turnê em 2006, mas alguns fãs e críticos acharam que faltava entusiasmo.

Em 2014, o extravagante vocalista Adam Lambert tenta seguir os passos do teatral Mercury, e a banda – e os espectadores – acham que funciona.

“Eu estou maravilhado com o fenômeno Queen”, Lambert disse em uma conferência de imprensa. “A ideia de dividir o palco para uma turnê completa pela América do Norte é surreal. Estou honrado em poder homenagear Freddie; ele é um herói pessoal meu e eu estou profundamente grato pela chance de poder cantar músicas tão poderosas para os fãs dessa banda lendária.”

Até agora, a turnê norte-americana – que consiste de 19 datas nos EUA e Canadá – está recebendo críticas positivas. Aqui está um resumo do que as críticas estão dizendo:

De acordo com Dan Hyman da “Rolling Stone”, na abertura da turnê em Chicago, dia 19 de Junho, “O Queen fez um show de rock que pareceu um espetáculo de Vegas.” Ele também disse que “Lambert provou ser o mais brilhante substituto que se pode achar.”

No mesmo show de estreia, Jeff Elbel do Chicago Sun-Times disse que hits como “We Are The Champions” e “The Show Must Go On” mostrou a “sensibilidade pop de Lambert e seu alcance vocal ao mesmo tempo em que May mostrava suas habilidades solo na guitarra”.

Jim Harrington, do San Jose Mercury News disse que o Queen “ainda arrasa em 2014″ sobre o show de 1º de Julho no SAP Center em San Jose, que esgotou em um dia com 12.000 lugares.

Queen se familiarizou com Lambert pela primeira vez quando apresentaram “We Are The Champions” juntos na final de 2009 do programa “American Idol”, em que o nativo de San Diego se tornou finalista. Mesmo não sendo consagrado campeão, Lambert – diferente do vencedor daquele ano, Kris Allen – foi se apresentar ao redor do mundo, em sua própria turnê e junto ao Queen. O cantor recebeu uma nomeação ao Grammy por melhor vocalista pop com seu álbum de estreia “For Your Entertainment” e lançou outro álbum em 2012, “Trespassing”.

Aos interessados em seguir a trajetória de como Lambert ficou próximo dos ícones da lendária banda de rock/glam clássico, Queen, a colunista do Yahoo Music/Reality Rocks, Lindsey Parker, conta como Adam trilhou este caminho aqui.

O show – o único com uma distância “dirigível” de New Orleans – ocorrerá no Toyota Center em Houston dia 9 de Julho às 19h30m. Os ingressos estão disponíveis no Houstontoyotacenter.com.

Fontes: @AdamLambert_INA e NOLA

Tradução: Carolina Martins C.